Centro de Relacionamento Intrapessoal, Interpessoal e Aprendizagem

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Inscrições para o curso online Habilidade lingusitica até dia 26 de setembro de 2011



As incrições são feitas no site do PPD- Projetos Pedagógicos Dinâmicos até dia 12 de março de 2012.

http://www.cursosppd.com.br/

http://www.projetospedagogicosdinamicos.com/

Inscrições Abertas!

Data de Início: 26 de Setembro 2011

Video de divulgação do curso:



Curso Habilidade Linguística na Sala de Aula

Em qualquer atividade do mundo moderno, em permanente evolução, as melhores oportunidades são aproveitadas pelos indivíduos que desenvolveram a habilidade linguística, porque sabem se expressar melhor e tem o poder de persuasão.O individuo que desenvolveu a habilidade linguística gerencia as informações e as transmitem de forma clara e isso é decisivo no desenvolvimento pessoal e no crescimento profissional.
A escola tem como um de seus objetivos a formação de cidadãos críticos e conscientes, e um dos caminhos para alcançar esse objetivo é desenvolver a habilidade linguística do aluno.
Muitos acreditam que desenvolvemos a nossa habilidade linguística de forma assistemática, isto é, através de uma educação informal (na família e na comunidade que estamos inseridos). Mas podemos sim desenvolver a habilidade linguística de forma sistemática, através de atividades orientadas e planejadas, porque para nos relacionarmos melhor com o outro precisamos criar sistemas, interpretar, ser criativos, entender as pessoas e criar empatia.
Objetivos: O objetivo principal deste curso é o desenvolvimento da habilidade linguística dos alunos através de atividades dinâmicas e reflexivas.

Objetivos: O objetivo principal deste curso é o desenvolvimento da habilidade linguística dos alunos através de atividades dinâmicas e reflexivas.

Conteúdo programático (Dividido em 8 módulos):

•Criatividade
•Desenvolvimento da comunicação verbal;
•Como foi formada é formada inteligência emocional;
•Múltiplas inteligências
•Estilos de aprendizagem
•Etapas da comunicação
•As perguntas- abertas e fechadas
•A imagem - interpretação e comunicação
•Empatia na comunicação
•Comunicação relacional- relacionamento interpessoal




Autoria e tutoria: Sheila Blasques Nobile - Professora, consultora pedagógica e empresarial. Especialista pela USP pelo Laboratório de Psicologia. Especialista em Gestão Escolar e Práticas Pedagógicas; com cursos de extensão em lingüística, produção textual e literatura pela UNESP, graduada em Letras. Fez o curso EMPRETEC do SEBRAE. Em 2005 foi uma das finalistas do Prêmio Mulher Empreendedora do SEBRAE de São Paulo e foi considerada a empreendedora do concurso com melhor trajetória profissional. Autora de várias apostilas e materiais na área da Educação e Gestão de pessoas. Leciona em curso de Pós-Graduação em Psicopedagogia. Ministra mais de 30 cursos de capacitação formação continuada em Instituições Escolares e em empresas. É consultora pedagógica de revistas paradidáticas.
Nosso curso é indicado para: Pedagogos, Psicopedagogos, Professores, Educadores, Coordenadores Pedagógicos, Diretores de Escolas, Estudantes de Pedagogia, Letras e Licenciaturas , Estagiários na área de Educação e demais interessados no tema.

Carga horária: A carga horária estimada para esse curso e de 100 horas/aula (aproximadamente 10 semanas), divididas entre estudos e interação online e pesquisas offline. O horário de estudos é determinado pelo próprio aluno de acordo com sua disponibilidade.


Requisitos Necessários: Computador com acesso a internet. E necessário que o aluno saiba navegar pela internet, fazer download de arquivos e enviar e-mail. Os alunos receberão orientações e manuais para que possam navegar na plataforma virtual de aprendizagem e utilizar as ferramentas disponíveis, além de acesso constante ao suporte técnico e pedagógico.

O investimento para este curso é de: R$ 110,00 (cento e dez reais). Incluindo certificado em formato PDF(via e-mail).

quarta-feira, 20 de julho de 2011

CRIIA e PPD- uma parceria que vai longe...






Uma parceria que vai longe...


Atenção Secretários de Educação, Supervisores, Assistentes Técnicos Pedagógicos, Coordenadores Pedagógicos e Diretores de escola:

Para ter um ensino qualificado é fundamental tempo e espaço para refletir, trocar experiências, aprofundar conhecimentos, sanar dúvidas. Somente assim, o professor sentirá segurança para desenvolver seu trabalho

Projetos Pedagógicos Dinâmicos (PPD) e Centro de Relacionamento Intrapessoal, Interpessoal e Aprendizagem (CRIIA) firmaram parceria a fim de viajarem pelo Brasil realizando encontros de formação continuada para prefeituras e secretarias municipais de educação: cursos, palestras, oficinas e workshops visando formar profissionais capazes de colocar as diferentes teorias educacionais em prática no cotidiano das instituições, no dia-a-dia da sala de aula

Pedagogia de Projetos
O desafio de educar no século XXI
Alfabetização e Letramento
Dinâmicas para Produção Textual
Criatividade na escola e ensino lúdico
Inteligência Emocional e Afetividade
Desenvolvimento das múltiplas inteligências
e outros.







sexta-feira, 15 de julho de 2011

Palestra na ACE sobre Perfil Profissional- dia 28 de junho na ACE de Santa Cruz às 19 h 30min








































Palestra sobre perfil profissional: Competências, habilidades e atitudes- desenvolvimento do perfil profissional com Sheila Blasques Nobile.

Realizada na ACE- Associação Comercial e Empresarial de Santa Cruz do Rio Pardo no dia 28 de junho de 2011 para empresários, gerentes, coordenadores, supervisores (líderes).

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Atividades escolares- Projeto Ética


Ética também se aprende na escola
por Sheila blasques Nobile
















Discutir o sentido ético da convivência humana nas relações traz a luz uma reflexão sobre a liberdade de escolha. O que é certo e o que é errado nas dimensões da vida social. Porque interroga sobre a legitimidade de práticas e valores tradicionais e culturais, abrangendo também as ações pessoais.

Os valores morais e éticos orientam e conduzem as ações humanas na sociedade. Nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) o tema Ética é um dos Temas Transversais, que tem como preocupação em trazer valores éticos para o Ensino Fundamental, porque
a escola tem um papel muito importante na formação da criança, por isso é preciso trabalhar questões relacionadas aos valores humanos. Dessa forma, é importante desenvolver um projeto sobre valores éticos, para que os alunos tenham capacidade de analisar os diversos valores presentes na sociedade e na construção de princípios de respeito mútuo, justiça, diálogo e solidariedade

Esse projeto tem como objetivo principal o discernimento dos alunos sobre valores éticos. Porque é importante que as crianças percebam o que é certo e o que é errado, mas para isso devem ser preparadas para que tenham capacidades e sejam criticas e assim decidirem por si sós a pensar, e não apenas a se adaptarem a novas situações, ou e ditar seus valores.


Aqui apresentaremos um trabalho sobre Ética com três eixos temáticos: respeito mútuo; justiça; diálogo e solidariedade


O papel do professor

O professor tem um papel de suma importância, pois é ele quem cria os espaços, diversifica as aulas, disponibiliza materiais, ou seja, faz toda a mediação pedagógica necessária.
Para tanto é importante que o professor seja coerente com o seu trabalho, porque atitudes e palavras controversas podem gerar uma confusão na cabeça da criança, pois os professores passam a ser exemplos para a criança de como se deve agir na coletividade, como demarcar seu espaço sem atingir o outro. Por isso, o educador precisa ter cuidado com os seus atos. O educador não pode ensinar valores éticos se não vivencia esses valores.

Objetivos do projeto
 Fazer uma reflexão e discussão sobre os problemas morais, mas sem induzir os alunos a aceitarem a posição do professor, como uma verdade que deve ser seguida.
 Integrar a ética na educação moral das crianças, colocando-a diante de problemas morais em contextos específicos;
 Estimular o diálogo entre as próprias crianças e o adulto educador, para que o aluno possa analisar, refletir, ouvir e falar.
 Reconhecer situações em que a igualdade represente justiça (como, por exemplo, as regras de funcionamento da classe, o cumprimento de horários);
 Conhecer e compreender a necessidade das normas escolares que definem deveres e direitos dos agentes da instituição;
 Sensibilizar os alunos para a disposição para ajudar as outras pessoas, quando isso for possível e desejável;

Justificativa
Trabalhar conceitos e práticas de valores éticos em sala de aula é necessário porque esses conhecimentos serão usados na sociedade. Porque o papel da escola é construir e fornecer as bases culturais através de um ensino-aprendizado significativo através da descoberta, do conhecimento e da prática, de modo que os alunos possam decidir por si mesmo, como agir nas diferentes circunstâncias da vida. Porque educar em valores significa dar as possibilidades da construção.


Metodologia

A metodologia usada será múltiplas incluindo pesquisas na realidade, entrevista com pessoas, criação de um jornal, análise de filmes, análise de histórias e vivências emocionais etc.


A conclusão
Ao final do projeto, é interessante que as atividades como jornais, cartazes e relatórios sejam expostos na escola.


TRABALHE VALORES ÉTICOS EM SALA DE AULA

Atividade 1: Jornal mural

O jornal é uma janela de papel que reflete valores éticos através dos mais variados temas tornando-se assim uma ferramenta importante para o educador trabalhar sobre um prisma reflexivo e critico.

Idade: 9 a 11 anos de idade
Objetivos: Fazer uma reflexão e discussão sobre os valores éticos
Materiais: jornais, cola, tesoura, cartolina

Desenvolvimento da atividade

1. A classe será dividida em grupos;
2.Cada grupo irá elaborar um jornal mural;
3. Os alunos pesquisaram em vários jornais, noticias e reportagens que contenham os seguintes temas: solidariedade, diálogo, justiça e respeito mútuo;
4. Recortaram as noticias e reportagem e montarão um jornal mural, dividindo o jornal em nos temas citados;
5. O jornal deverá ter um nome, escolhido pelo grupo.
6. Após a elaboração do jornal, os grupos escolherão uma noticia ou reportagem para expor e expor os pontos positivos e importantes presentes.
7. O jornal será exposto no mural da escola ou da classe.


Atividade 2: Literatura infantil e os valores éticos

A literatura infantil é uma maravilhosa fonte para trabalhar valores éticos, como respeito mútuo; justiça; diálogo e solidariedade. Porque trazem no seu conteúdo lições para a vida são de grande valor na formação do caráter.

Idade: 6 a 11 anos de idade
Objetivos: Estimular o diálogo e a análise critica.
Materiais: histórias infantis

Desenvolvimento

1. As carteiras ficarão no formato de U;
2. O professor fará a leitura da história para a classe;
3. Após a leitura haverá um debate direcionado pelo professor, sobre os valores éticos presentes na história e sobre as atitudes dos personagens.
Exemplos de questionamentos:
_ Como vocês agiriam numa situação semelhante? Por quê?
_ Como vocês avaliam as escolhas dos personagens? Por quê?

Indicação de histórias:

Cinderela e A bela adormecida, que tem como tema central a inveja, mostrando claramente que a falta de respeito mútuo pode causar na vida das pessoas, também mostra as dois tipos de vida: de um lado, a vida satisfatória, repleta de felicidade, pessoas que se respeitam e que amam tudo a sua volta; e de outro lado, o mais obscuro dos sentimentos, a inveja, o desejo de querer o que é do outro.


Branca de Neve e os sete anões, onde a bondade e a solidariedade ficam evidente quando os sete anões abrigam a Branca de Neve.


Atividade 3: Análise de filme

Muitos filmes infantis trazem nas entrelinhas de suas histórias, valores morais e éticos que podem ser abordados em sala de aula. Dessa forma, o professor precisa aproveitar isso para atrair o aluno para assunto ética, porque o filme apresenta muitas possibilidades e dependendo da criatividade do professor em conduzir o processo lúdico de ensino, pode ser uma experiência riquíssima, principalmente considerando as possibilidades de se estabelecer uma relação entre o conteúdo do filme com a realidade, tornando a aprendizagem mais dinâmica, crítica e participativa. E com certeza a criança assimilará melhor as informações tornando-se mais crítica e coerente.

Idade: 6 a 11 anos de idade
Objetivos: desenvolver a audição (ouvir o outro); refletir sobre as situações vividas pelo personagem do filme; relacionar as vivências familiares com as apresentada no filme; debater sobre as atitudes e dos personagens e comparar com as próprias vivências do dia-a-dia.


Desenvolvimento

1. Os alunos assistirão ao filme;
2. O professor irá para o filme em alguns trechos para que se tenha um analise das atitudes dos personagens, para tanto haverá um questionamento por parte do educador.
“O que aconteceu?”
“Vocês acham essa atitude certa ou errada?”
“Como vocês agiriam?”
3. Para que o trabalho não se torne cansativo, ele poderá ser dividido em partes, em dias da semana. Assim o filme poderá ser trabalhado durante uma semana.

Indicações de filmes e valores éticos que podem ser abordados:

Mulan- Pode-se trabalhar a questão da discriminação, da perseverança e da diferença entre os gêneros, porque é nesse filme mostra a época que as mulheres só serviam para casar-se e terem filhos, elas não podiam ter as funções e a liberdade de um homem.

O Corcunda de Notre Dame- pode-se trabalhar também a discriminação e a falta de solidariedade e respeito mútuo.

O espanta tubarões o professor pode trabalhar as conseqüências das mentiras, porque toda mentiras inventada por Oscar, o personagem principal acarretou em coisas boas e ruins, então o professor pode discernir junto com as crianças, o certo do errado.

Irmão urso- Nesse filme Kenai como resultado de sua jornada, começa a questionar tudo o que sabe e aprende várias lições importantes sobre o verdadeiro significado da fraternidade.
O professor pode trabalhar também a questão das aparências, como diz um velho ditado: “As aparências enganam”.


Atividade 4: Auto-avaliação
Idade: 7 a 11 anos
Objetivos: Fazer com que o aluno faça uma reflexão e auto-avaliação sobre suas atitudes; construir uma imagem positiva de si e o respeito próprio.
Materiais: figuras de personalidades, uma caixa de sapato com tampa, um espelho pequeno, papel color sete.

Esta atividade também pode ser aplicada quando os alunos estão rotulando os colegas pelas ações, colocando apelidos.

Preparando a atividade:

1. Recorte as figuras de personalidades e as guarde;

2. Cole o espelho dentro da caixa de sapato e a tampe, encape a caixa com papel color sete.
3. Faça um recorte na tampa para que o aluno possa ver o próprio rosto na caixa de sapato.


Desenvolvimento da atividade

1. Faça um U de carteiras;
2. Coloque a caixa de sapato numa mesa e ao lado dela várias figuras de personalidades;
2. O professor explicará que cada aluno será chamado para dar nota de 1 a 10 as atitudes, valores éticos, da personalidade que estará na caixa, e que deverá explicar o que a personalidade tem de bom que recebeu essa nota. O aluno não poderá dizer para os colegas para qual personalidade o educando deu nota
3. O professor fará que coloca a figura na caixa, mas na verdade a deixa num canto da caixa, para que o aluno possa ver apenas o espelho e a sua própria imagem.
4. É importante que o professor valorize as atitudes positivas dos alunos.



Atividade 5: Zelo com a nossa escola
Idade: 9 a 11 anos de idade
Objetivos: zelar pelo bom estado das dependências da escola; valorizar o patrimônio
Materiais: cartolina, pincel atômico, fita adesiva.

Esta atividade também pode ser aplicada quando os alunos demonstram falta de zelo com a sala de aula e com a escola: jogando papel no chão, rabiscando carteira, colocando mãos sujas nas paredes.

Desenvolvimento da atividade:

1. A classe será dividida em grupos;
2. Cada grupo através de um sorteio saberá qual local da escola ira cuidar;
3. Os grupos deverão fazer um relatório de como se encontra o local;
4. Os grupos também farão uma entrevista com o responsável pelo limpeza do local para saber como funciona a conservação e como os alunos agem em relação a conservação deste local.
5. Será feito um cartaz pelo grupo com itens de conservação, esse cartaz será fixado no local.
6. O grupo ficará responsável de durante a semana acompanhar seus os alunos da escola estão seguindo os itens, para tanto farão um relatório diário de conservação do local.
7. Ao término da semana o grupo fará uma avaliação de como o local foi cuidado pelos alunos da escola e o que os alunos não fizeram, essa avaliação será feita num cartaz que será fixado ao lado do outro cartaz, aquele colocado com os itens de conservação;
8. Na sala de aula os alunos apresentarão seus relatórios para os outros grupos que relataram suas experiências, isto é, como se sentirão em relação a atividade.


Atividade 6: A flor dos valores éticos
Objetivo: Esta dinâmica fará o aluno perceber a importância dos valores éticos
Material necessário: Papel de seda de várias cores.

Está atividade pode ser aplicada também quando alguns alunos na classe estiverem apresentando problemas relacionados aos valores éticos como respeito mútuo, porque a mensagem é que todos devem mudar e podem florescer.

Preparando a atividade:

1 - O professor deve cortar o papel de seda para que fique do tamanho de um papel sulfite cortado ao meio.
2 - Deve distribuir um pedaço para cada participante, procurando diversificar as cores.


Desenvolvimento da atividade:
1 – O professor motivará os alunos, dizendo que a folha que eles têm na mão é a vida de cada um deles. Pedirá para que notem que um lado da folha é liso e o outro, um pouco mais áspero, eles podem indicar o certo e o errado.

2- O professor deverá pedir aos alunos que segurem as folhas numa das pontas, fazendo-as balançar para ouvir o barulho (a vibração). Deverá explicar que nem sempre tudo todos fazem o que é certo.

3- O professor perguntará o que faz que agimos de forma errada, sem respeito mútuo, sem solidariedade, sem justiça, sem diálogo. Deverá solicitar a ajuda dos alunos para que citem outros exemplos, e cada palavra anunciada, pedirá que amassem o papel, até ficar uma bolinha.
4- Com a bolinha na mão, o professor perguntará ao grupo: “O que devemos fazer com esta bolinha agora?”.

5. Se alguém disser para que se jogue fora a bolinha, o professor intervirá dizendo que não podemos jogar fora nossos valores éticos, mas sim reconstruí-los.

6. O professor deverá motivar os alunos a dizerem palavras como diálogo, respeito mútuo, justiça, solidariedade, responsabilidade, zelo, lealdade, liberdade, coleguismo e a cada palavra vai-se abrindo novamente o papel

7 - Com o papel todo aberto, o professor deverá dizer que o papel está cheio de rugas. Essas rugas são os valores antigos. E deverá pedir que os alunos balancem o papel para ver se os valores antigos vibram. Nesse momento, pede ao grupo para balançar a folha. Agora a vibração é bem menor.

8 - O professor pedirá aos alunos para dobrarem as folhas ao meio e recortá-las em duas partes. Juntando essas duas partes, pede para recortá-las novamente, ficando agora com quatro partes.

9 – O professor orienta os alunos a trocar os pedacinhos com os colegas, de maneira que cada um fique com quatro pedacinhos de cores diferentes.

10 – Após a troca pedirá para colocarem os pedacinhos de maneira que fique um na horizontal e outro na vertical, formando duas cruzes.

11 - Os alunos deverão colocar o dedo indicador no centro das “cruzes” e modelar uma flor. O professor explicará que por mais que tenhamos valores anti-éticos, ainda podemos florescer e mudar nossos valores. Porque podemos até perder a vibração, mas podemos florescer novamente.


























Atividade 7: Interpretação da imagem
Idade: de 6 a 8 anos de idade
Objetivos: Fazer com que o aluno faça uma reflexão sobre valores

Materiais: figuras com situações de solidariedade, respeito mútuo, justiça, dialogo, zelo, lealdade, responsabilidade, honestidade, coleguismo.

Desenvolvimento da atividade

1- A classe será dividida em grupos de até quatro alunos;
2- Os grupos receberão figuras que demonstram valores éticos para que os alunos identifiquem esses valores.


Atividade 8: O corredor da amizade
Idade: 6 a 11 anos de idade
Objetivo: desenvolver o respeito mútuo
Materiais: um CD de música e aparelho para tocar o CD
O professor pode desenvolver também esta atividade quando perceber que os alunos não aceitam alguns colegas em seus grupos.
Desenvolvimento da atividade
1. primeiro na sala de aula o professor irá explicar que todos tem qualidades e que só na convivência, no dia-a-dia que percebemos as qualidades do outro. O educador questionará quais são as qualidades que uma pessoa pode ter.
2. Após a explicação a classe formará um corredor, com o distância mento de 1 m. entre os alunos, sendo um de frente para o outro;
3. O professor colocará uma música suave e passará por esse corredor um aluno de cada vez, formando o corredor novamente no final;
4. Quando o aluno passar de olhos fechados pelo corredor bem devagar, cada aluno dirá no seu ouvido uma qualidade do colega.




quarta-feira, 15 de junho de 2011

A/C dos Secretários de Educação, Supervisores, Assistentes Técnicos Pedagógicos, Coordenadores Pedagógicos e Diretores de escola

Estamos agendando cursos para professores e funcionários para os meses
Julho (recesso escolar) e Agosto.
Cursos para Funcionários, monitores, Motoristas Professores, Coordenadores Pedagógicos e Diretores

Novidades do ano:
Cursos:

- Competência, habilidades e atitudes que fazem a diferença na sala de aula – Educação Infantil e ensino Fundamental
- A creche e a Educação infantil como um ambiente de aprendizagem- desenvolvimento infantil
- Condutores educadores- conduzir criança, alunos, é coisa séria para motoristas;
- Curso para funcionários Comprometimento no trabalho, habilidades e atitudes que fazem a diferença;
E mais, muito mais:
Criatividade- jogos e brincadeiras; Produção textual- redação escolar; Interpretação - textos, imagens e filmes; Desenvolvimento de trabalhos com projetos- pedagogia de projetos; Avaliação escolar; Planejamento escolar; Relacionamento Interpessoal; Comunicação verbal; Projeto leitura; Liderança- Coordenadores Pedagógicos, Diretores de escola e Secretários de educação; Curso para funcionários Comprometimento no trabalho, habilidades e atitudes que fazem a diferença; Desenvolvimento das múltiplas inteligências na sala de aula, Motivação;

Cidades que já foram atendidas com cursos, assessorias, elaboração de planos: Assis (UNIP), Alvinlândia, Arealva, Agudos, Avaí, Barretos, Bernardino de Campos, Cabrália Paulista, Cardoso, Canitar, Chavantes, Cruzália, Duartina, Espírito Santo do Turvo, Echaporã, Lucianópolis, Florínea, Gália, Getulina, Guaimbê, Itapuí, Itaju, Ipaussu, Itapeva, Ituverava, , Junqueirópolis, Julio Mesquita, Lins, Lucianópolis, Lupércio, Lutécia, Manduri, Marília, Maracaí, Nantes, Ourinhos, Oscar Bressani, Óleo, Platina, Palmital, Pedrinhas Paulista, Piraju, Piratininga, Pirassununga, Presidente Alves; Recife (PE), Rancho Alegre (PR), Reginópolis, Riberão do Sul, Salto Grande, Santa Bárbara do Oeste, Santa Cruz do Pio Pardo, Santa Mariana (PR), São Pedro do Turvo, Sertaneja (PR), Sumaré, Taguaí, Votuporanga, Ubirajara.

Palestrante e facilitadora: Sheila Blasques Nobile
Professora há 20 anos; ministra cursos e palestras de capacitação para professores há 15 anos. Especialista pela USP pelo Laboratório de Psicologia; Especialista em Gestão Escolar e Práticas Pedagógicas; com cursos de extensão em lingüística, produção textual e literatura pela UNESP de Assis e São José do Rio Preto, graduada em Letras. Leciona em curso de Pós-Graduação Psicopedagogia a disciplina Psicologia do Desenvolvimento Humano. Faz assessorias e treinamentos para empresas. Consultora pedagógica das revistas paradidáticas da revista Alto Astral, há 3 anos, com distribuição nacional. Foi conferencista do 11º. Congresso Brasileiro de Criatividade e RH.
Maiores informações- agendamento, valores, carga horária, temas, datas: falar diretamente com a Profª. sheila blasquew Nobile via e-mail: criia@bol.com.br;

terça-feira, 7 de junho de 2011

Atividades escolares- Projeto Festa Junina

FESTAS JUNINAS

Nessa data comemorativa há uma afirmação de identidade cultural, pois, relembram o passado, porque quando se recria o cenário dos arraiais e apresentam-se danças das regiões há um resgate cultural e fortalece a identidade de um povo. Esse resgate deixa de ser apenas oral, como muitas vezes são passadas as culturas de um povo e passa ser concreto.

As festas juninas proporcionam um ensino aprendizado-dinâmico dinâmico em torno de manifestações culturais, gastronomia, significação e origem de elementos históricos. Elas também promovem o relacionamento interpessoal e confraternização que nenhuma outra data consegue realizar.

Além de ser a festa mais reproduzida e recriada nas escolas é também um bom momento para desenvolver um projeto de aprendizagem, porque é um trabalho sócio-cultural. Dessa forma, a escola pode e deve tomar partido dessa data para elaborar com as crianças atividades que lhes tragam o conhecimento assim como atitudes e valores.

É uma experiência que contribui para uma prática pedagógica diferenciada, além de motivar o aluno a participar, bem como possibilita trabalhar interdisciplinarmente de forma significativa. Porque escola é um espaço de formação ampla do educando, onde aprofunda o seu processo de humanização, aprimorando as dimensões e habilidades.

Dessa forma, o acesso às experiências culturais diversas e a novas linguagens, contribui para o desenvolvimento do aluno como sujeito sociocultural, crítico e criativo.


Objetivos do desenvolvimento de um projeto ensino-aprendizado Festas juninas:
• refletir sobre vivências e experiências, dando a oportunidade dos alunos aprenderem conceitos que possam levar por toda a vida, como conviver em harmonia,

• respeitar o próximo,

• aprender trabalhar em grupo,

• ser criativo,

• ter uma linguagem bem desenvolvida,

• constituir uma leitura de mundo de forma inteligente e que lhe abra novas perspectivas,

• ser perceptivo aos fatores críticos;

• trabalhar conteúdos da série de forma significativa.


Apresentação do projeto Festas juninas

Apresentaremos um trabalho educacional tendo como eixo temático as festas juninas, não tem haver com uma religião específica, mas sim contribui para incentivar a participação geral. Trata-se de um momento em que elas aprendem, divertem-se e experimentam uma integração, além de ser um trabalho interdisciplinar.
O tema Festas Juninas pode ser explorados de forma ampla e interdisciplinar, com a conseqüente realização de pesquisas e experiências de primeira mão. Possibilita ainda a realização de inúmeras atividades de organização e de registro, feitas individualmente, em pequenos grupos ou com a participação de toda a turma.
O professor neste projeto é o organizador e mediador, pois busca de informações, que estimula a curiosidade e a criatividade do grupo. Alguém que, acima de tudo, entende que os alunos não são receptores passivos, mas sujeitos com interesses e que estão construindo sua história e no caso do tem Festas Juninas, estão reconstruindo a cultura que estão imersos.

Para tanto a escola passa a ser um espaço de busca, de reflexão crítica e que trabalha com várias fontes e áreas do conhecimento.

Justificativa
Faz-se necessário desenvolver na escola temas que fazem parte da cultura do nosso país, porque representa um dos pilares fundamentais do conhecimento sobre a vida social e cultural de um povo. E para o aluno aprender fazendo é muito importante para a formação do educando, porque a prática revela o prazer de conhecer.


Objetivos:
• Conhecer as características das festas juninas;
• Respeitar o homem do campo e sua cultura;
• Promover interesse e participação na atividades de ensino-aprendizado;;
• Valorizar festa junina dentro do folclore brasileiro, destacando seus aspectos sociais e culturais;
• Promover o relacionamento interpessoal.


Metodologia

Trabalhar os aspectos históricos, socioculturais e as curiosidades que acompanham os festejos juninos, todos os anos, não impede a escola de incrementar o arraial escolar com algo novo, reforçado pelas atividades lúdicas. Para isso, é preciso que o educador seja criativo, inovador e busque mesclar as características tradicionais com os conteúdos

Serão trabalhas atividades de forma coletiva e individual com a interação professor e aluno durante as atividades propostas.


Avaliação:
A avaliação será através de registro em relação a aprendizagem individual e coletiva dos alunos frente as atividades propostas durante o desenvolvimento do projeto.

Conclusão

O projeto pode ser finalizado com apresentação de alguns trabalhos, num painel de fotos do projeto e com a realização de uma Festa Junina.


Atividades do projeto


Conhecendo o tema

O primeiro passo para desencadear o projeto é ler em sala de aula um livro ou um texto sobre festas juninas, apresentar figuras de festas juninas e musicas de festas juninas para partilhar com os alunos. O professor pode planejar algumas atividades previamente e mobilizar os alunos.
Aqui vamos apresentar algumas atividades a fim de que os alunos conheçam melhor o tema.
Vale lembrar que é preciso também estar atento aos interesses do grupo, pois o papel do professor neste projeto é de organizador da aprendizagem.

Atividade: O Painel

Faixa etária: 5 a 11 anos de idade.
Conteúdo: Língua Portuguesa, História, Natureza e sociedade.
Objetivos: aprender novos conceitos e descobrir áreas de interesse
Materiais: figuras da festa junina, papel pardo, cola, tesoura, livro sobre festas juninas, textos sobre festas juninas.

O professor preparará um grande painel com as fotos e figuras dos elementos da festa junina e lerá textos sobre festas juninas, como o livro de Toni Brandão da Editora: STUDIO NOBEL.


Elementos da festa junina: correio elegante, a fogueira, a quadrilha, o casamento, as bandeiras, os doces, o mastro, os fogos de artifício, as brincadeiras (pau de sebo, bingo, Corrida dos sacos, boliche de latas, caça ao objeto, cadeia, corrida do milho, corrida do ovo na colher, corrida do saco, corrida do saci ou corrida dos sapatos, dança da laranja, pesca da maçã, jogo do bicho ou do rabo do burro, jogo de argolas).


























Atividade: O causo

Faixa etária: 5 a 11 anos de idade.
Conteúdo: Língua Portuguesa

Objetivos: praticar a memorização dos fatos e seu encadeamento lógico; desenvolver a expressão oral e a audição; comprovar a deformação que ocorre quando transmitimos informações a outros.

Materiais: a história do Bumba- Meu- Boi

Os causos são muito comuns no campo, são histórias relacionadas a vida do campo, e são contados também nas rodas de conversa numa festa junina ao redor de uma fogueira.

1. A professora escolherá três alunos da classe, que ficarão fora da sala de aula, porque será lido um causo os outros alunos;
2. Esclarecer que devem prestar muita atenção no causo, porque um aluno da classe será escolhido para contar o causo para um alunos que está fora da classe;
3. Ler o causo para a classe;
4. Pedir para que entre um dos alunos que está do lado de fora da classe;
5. O causo será contato por um aluno que estava na classe para o alunos que estava fora da classe;
6. Quando esse aluno terminar, pedir para que o segundo aluno, que está do lado de fora entre e ouça o causo, que será contado pelo aluno anterior que ouviu;
7. Assim que o segundo aluno terminar, pedir para que entre o terceiro aluno. Ele ouvirá o causo, que será contada pelo segundo aluno.
8. O terceiro aluno contará o causo que ouviu para a classe.
9. A professora analisará com a classe as diferenças entre os causos contados e os erros cometidos ao longo das diversas narrações.

O causo do Bumba- Meu -Boi ou Boi Bumbá

Um fazendeiro rico possui um bonito boi, que inclusive sabe dançar. Na fazenda tem um trabalhador, o Chico, que resolve roubar o boi porque a mulher, a Catirina, está com desejo de comer língua do boi mais bonito da fazenda.

Ao saber que o boi sumiu do pasto o fazendeiro fica muito triste e manda seus empregados procurarem o boi.

Quando os funcionários encontram o boi, ele está muito doente. Os pajés curam a doença do boi e descobrem a real intenção de Pai Chico, o fazendeiro o perdoa e celebra a saúde do boi com uma grande festividade.

Indicação de leitura: Bumba- Meu-Boi da autora Stela Barbieri da Editora Girafa


Atividade: O Bumba-Meu-Boi

Faixa etária: 5 a 11 anos de idade.
Conteúdo: Arte

Objetivos: desenvolver a criatividade
Materiais: folha sulfite A4, lápis preto, caixa de lápis de cor.

O bumba-meu-boi adquire nomes, danças e adereços diferentes por todo o Brasil, mapa do Brasil

• Maranhão, Rio Grande do Norte e Alagoas é chamado bumba-meu-boi;
• Pará e Amazonas é Boi-Bumbá ou Pavulagem;
• Pernambuco é Boi Calemba ou Bumbá;
• Ceará é Boi de Reis, Boi Surubim e Boi Zumbi;
• Bahia é Boi Janeiro, Boi Estrela do Mar, Dromedário e Mulinha-de-Ouro;
• Paraná, em Santa Catarina, é Boi de Mourão ou Boi de Mamão;
• Minas Gerais, Rio de Janeiro e Cabo Frio é Bumba ou Folguedo do Boi;
• Espírito Santo é Boi-de-Reis;
• Rio Grande do Sul é Bumba, Boizinho, ou Boi Mamão;
• São Paulo é Boi de Jacá e Dança do Boi.

Mesmo com diferentes nomes e danças por região o nome mais conhecido no Brasil é o Bumba-Meu –Boi



















Atividade com a tela
1. Será apresentado aos alunos a tela Bumba- Meu- Boi do artista Camilo Riani
2. A professora entregará aos alunos folha sulfite A4 e um lápis preto;
3. Os alunos riscaram a folha com os olhos fechados, fazendo vários movimentos, sem tirar o lápis da folha. O professor colocará uma música;
4. Depois procurarão visualizar na folha a figura do bumba-meu-boi, a figura poderá aparecer de formas diferentes: de lado, de frente, só a cara;
5. O aluno fará o contorno da figura com lápis de outra cor, deverá desenhar os olhos.


Atividade com o mapa
Faixa etária: 8 a 11 anos de idade
Objetivos: trabalhar com o mapa e desenvolver a inteligência espacial.
Conteúdo: Geografia, Natureza e sociedade.
Material: mapa

1. A professora entregará um Xerox com o mapa do Brasil, ou colocará o mapa fixado na lousa e junto com a turma procurará os Estados que usam o Boi nas festas juninas.

Atividade dramatização
Faixa etária: 5 a 11 anos de idade
Objetivos: desenvolver a criatividade, explorar recursos narrativos.
Conteúdo: Língua Portuguesa e Arte
1. Os alunos encenaram o causo do Bumba-meu-boi;
2. O bumba meu boi será feito de caixinha de leite longa vida e os outros personagens de colher de pau.





















PLANEJAMENTO DA FESTA JUNINA

Para realizar uma Festa Junina é preciso um planejamento. Neste \momento os alunos vão entender como é o desenvolvimento de uma festa, porque muitas vezes as crianças só conhecem a Festa Junina pronta, isso a impede de realmente vivencias de forma plena esse evento que sempre faz parte do calendário escolar.

Objetivo
As atividades aqui propostas têm como objetivo fazer com que o aluno vivencie a Festa Junina desde a sua criação e ao mesmo tempo trabalhar os conteúdos.

Atividade: Os convidados

Faixa etária: 5 a 11 anos de idade
Conteúdo: Lógica matemática

Objetivos: pensar de forma matemática, desenvolver o raciocínio lógico.

Materiais: lousa e giz.

1. A professora explicará para turma que a atividade é fazer o planejamento de uma festa junina;
2. Será feita uma relação de quantos convidados cada aluno trará na festa junina;

3. Serão feitos os seguintes questionamentos:

_____Quem dos alunos tem mais convidados?
_____Quem dos alunos tem menos convidados?
_____Quando convidados femininos têm?
_____Quantos convidados masculinos?
_____Se for convidar só os convidados das alunas. Quantos convidados teremos?
_____Se for convidar só os convidados dos alunos. Quantos convidados teremos?
_____Quantos convidados temos dos alunos que são números pares na lista de chamada da classe?
_____Quantos convidados temos dos alunos que são números impares na lista de chamada da classe?


Atividade: Listas

Faixa etária: 6 a 11 anos de idade
Conteúdo: Língua Portuguesa

Objetivos: desenvolver a escrita e a coerência

Materiais: cartolina, pincel, fita adesiva, cola.

1. É hora do planejamento da Festa Junina
2. A classe será dividia em grupos;
3. Cada grupo será responsável por setor da festa junina;
4. Os alunos farão listas das atividades, comidas, brincadeiras, músicas que terão na festa junina;
5. Com alunos de 6 e 7 anos de idade a atividade será oral, ou com figuras e desenhos, e com os alunos de oito a onze anos de idade a atividade será escrita em forma de lista.
6. Após a elaboração das listas, o material será apresentado para a classe.


Atividade: As receitas

Faixa etária: 6 a 11 anos de idade
Conteúdo: Língua Portuguesa e Lógica

Objetivos: desenvolver a interpretação e o raciocínio lógico.

Materiais: cartolina, pincel, fita adesiva.

1. O professor escreverá em cartolina receitas de comidas típicas juninas, mas não colocará o nome da receita;
2. Numa cartolina a parte o professor colocará nome das comidas, isto é, das que foram dadas as receitas;
3. Os alunos divididos em grupos leram as receitas, procurando indícios através dos ingredientes colocados a qual comida a receita pertence;
4. Após todos os alunos terem identificados as receitas e o professor ter apresentado os nomes corretos, haverá um debate conduzido pelo professor para saber como as crianças raciocinaram.


Atividade: Conhecendo o espaço

Faixa etária: 7 a 11 anos de idade
Objetivos: desenvolver o raciocínio lógico e espacial.
Conteúdo: Matemática
Material: Fita métrica, cartolina, lápis de cor, lápis preto, régua

1. As crianças irão fazer uma planta baixa da Festa Junina;
2. A classe será dividida em grupos;
3. Os grupos deverão identificar:
Quantas barracas deverão ter na festa?
Vai ter palco?
Vai ter quadrilha junina?

2. No local, onde pode ser feito uma festa na escola, irão medir o espaço e já definir onde ficarão as barracas, o palco (se for ter), onde será realizado a quadrilha junina.

3. Após a identificação farão a planta baixa da festa Junina, usaram para isso a régua.
4. Cada grupo apresentará a planta baixa da Festa Junina.


Atividade: O convite

Faixa etária: 5 a 11 anos de idade
Conteúdo: Arte e Matemática

Objetivos: desenvolver a criatividade

Materiais: papel cartão, papel dobradura (várias cores), cola, tesoura.


1. O professor apresentará para as crianças a tela de Volpi, As bandeirinhas. Explicará que as bandeiras fazem parte das festas juninas porque são usadas para enfeitar a festa;
2. Os alunos confeccionaram um convite da festa junina, para tanto várias bandeirinhas serão feitas recortadas do papel dobradura e deverão ser coladas no papel cartão em forma de convite












Atividade: As bandeirinhas

Faixa etária: 7 a 11 anos de idade
Conteúdo: Lógica- Matemática

Objetivos: desenvolver o raciocínio lógico-matemático
Materiais: bandeirinhas coloridas de papel

Descubra quantos triângulos tem na bandeirinha de festa junina

Resposta: 7 triangulos


Atividade: Descubra a sequência

1. Divida a sala em grupos;
2. Crie uma seqüência de banderinhas por cores, de 6 a 10 bandeirinhas;
3. Faça uma seqüência diferente para cada grupo;
4. Cada grupo deverá lembrar a sua seqüência.

Indicação de Livro: Alfredo Volpi, coleção Mestres das Artes no Brasil, Editora Moderna.


Atividade: O caminho

Para os alunos não se perderem no caminho, será feito uma seqüência de elementos que encontraram, assim poderão voltas para casa tranquilamente.


Faixa etária: 6 a 11 anos de idade
Conteúdo: Lógico-matemática
Objetivos: demonstrar habilidade para encontrar soluções lógicas e desenvolver a inteligência interpessoal e espacial, pensar de forma matemática
Material: EVA, velcro, cola quente, tesoura









Será feito um painel de EVA com elementos que representa figuras do caminho, como árvore, pescaria, setas e também um número.

O cartaz será dividido em quatro quadrados, sendo que no último terá velcro para que as figuras sejam fixadas de acordo com a seqüência., para isso várias figuras com velcro serão colocadas numa mesa.

1. Os grupos deverão descobrir, de acordo com a seqüência;
2. Coloque a resposta num envelope.


















Atividade: Os caipiras

No caminho da roça também é o momento de encontrar os amigos para uma conversa. Aqui será encontrado um amigo, que traz um problema a ser resolvido.

Faixa etária: 6 a 11 anos de idade
Conteúdo: Lógico-matemática
Objetivos: demonstrar habilidade para encontrar soluções lógicas e desenvolver a inteligência interpessoal e pensar de forma matemática
Material: cartolina, pincel.

Faça dois rostos caipiras e neles números escondidos.

1. 6 a 11 anos de idade: Os grupos deverão descobrir quais são os números que aparecem nos rostos;
2. 8 a 11 anos de idade: Qual dos dois rostos o resultado da soma dos números é maior?
3. Coloque a r
esposta num envelope e o deixe ao lado dos cartazes.

































Atividade: A Pescaria
No caminho da roça sempre tem um rio ou um riacho, onde se pode pescar.

Faixa etária: 5 a 11 anos de idade
Conteúdo: Língua Portuguesa;
Objetivos: desenvolver a matemática e a coordenação motora;

Observação:Os peixes deverão ser feitos de rolinhos de papel higiênico,
Materiais: rolinho de papel higiênico, papel dobradura, tesoura, cola quente, varinha, barbante, anzol (não sei como pode ser feito). O peixinho receberá um número. Deverá ser colocado em um recipiente, pode ser uma grande caixa, ou um lago feito de papel (colocado no chão) porque o certo é evitar água.

1. Cada criança do grupo pescará um peixinho;
2. Os valores serão somados;
3. Ganha o grupo que fez mais pontos de pescaria.




















Atividade: As frutas
No caminho da roça tem árvores frutíferas, mas as frutas caíram e se misturaram. É preciso separar as frutas para que possam ser feitos doces para a nossa festa junina.
Faixa etária: 5 a 8 anos de idade
Conteúdo: Lógica- matemática
Objetivos: desenvolver o raciocínio lógico e o relacionamento interpessoal.
Material: EVA, tesoura, pincel, caixa de sapato, cola, papel dobradura

As frutas serão feitas de EVA: goiaba, jabuticaba, amora, maçã, pêssego e as cestas de frutas serão feitas de caixas de sapatos.

1. Serão misturadas e colocadas no chão ;
2. Os grupos deverão separar as frutas e colocar em cestas.


Atividade: Desafio: encontre o caminho
Faixa etária: 6 a 11 anos de idade
Conteúdo: Lógico-matemática
Objetivos: demonstrar habilidade para encontrar soluções lógicas e desenvolver a inteligência espacial ;
Material: papel pardo, pincel, papel cartão, cola

Atividade: O caminho
Faça um painel com vários caminhos a ser seguido, no início do caminho desenhe ou cole um casal caipira e no final do caminho faça o desenho ou cole uma figura de um arraial. Faça também várias setas de papel cartão, que dêem para mostrar o caminho escolhido pelo grupo.

1. Coloque o caminho numa mesa grande;
2. Os grupos descobrir qual caminho deverá ser seguido pelo casal caipira.





Atividade: A quadrilha junina
Quando se fala em Festas Juninas nos lembramos da vida no campo. Na quadrilha junina, ele também citado, o caminho da roça.
Aqui vamos tornar esse caminho da roça também do aprendizado!

Objetivo

Usar diversas habilidades a fim de desenvolver inteligências e trabalhar os conteúdos.


Desenvolvimento da atividade:
1. Será feito na sala de aula ou no pátio da escola o caminho da roça e do aprendizado com atividades de coerência e formação de palavras, como um circuito;
2. A classe será dividida em grupos;
3. Cada grupo terá o seu tempo para fazer o caminho da roça e do aprendizado, uns 10 min, ou 2 minutos por atividade;
4. O professor usará o apito para avisar o término do tempo;
5. Ganha o grupo que conseguir resolver tudo e fazer mais pontos na atividade da pescaria, dessa forma poderá ter mais de um grupo vencedor.


Atividade: As setas

Faixa etária: 6 a 11 anos de idade
Conteúdo: Língua Portuguesa;
Objetivos: desenvolver a escrita e o relacionamento interpessoal;
Materiais: EVA, velcro, tesoura, cola quente.


1. As setas serão feitas de EVA;
2. Em cada seta é colado uma tira de velcro
2. As letras serão feitas de EVA , sobre um retângulo também de EVA, atrás delas serão colados velcro
3. Em cada seta tem uma palavra (escola, casinha, arraial), mas o professor embaralhará as letras, mas não misturará as setas, isto é, as palavras de uma seta para outra.
4. Os grupos deverão descobrir quais são as palavras das seta, colocando-as em ordem na seta.







Atividade: Correio elegante
Faixa etária: 8 anos a 11 anos de idade
Objetivos: desenvolver a escrita, coordenação motora e o relacionamento interpessoal
Conteúdo: Língua Portuguesa
Materiais: papel dobradura vermelho


1. Cada aluno escreverá uma frase positiva;
2. O correio elegante será entregue para professores e funcionários da escola, porque é uma forma de agradecer o carinho e a dedicação de todos.

Veja passo a passo como fazer o coração de dobradura:





















Atividade: Show de calouros dos chapéus

Faixa etária: 6 anos a 11 anos de idade
Objetivos: desenvolver a criatividade
Conteúdo: Arte e Língua Portuguesa
Materiais: chapéu de palha, cola quente, TNT preto, papel dobradura.








1. Será feito um fantoche de chapéu de palha, será uma carinha no chapéu de palha, isso é, serão colados olhos, boca, bigode.
2. O chapéu também poderá ser enfeitado com fita quando for carinha feminina e bigode quando for carinha masculina;
3. Os alunos deverão apresentar uma história, pode ser um causo caipira.















Atividade: As fitas
Na região sul a dança das Fitas é uma tradição. A coreografia principal é o trançado. Possui um mastro enfeitado com flores e guirlandas e com fitas coloridas.
Faixa etária: 5 anos a 7 anos de idade
Objetivos: o relacionamento interpessoal.
Conteúdo: Educação Física.
Materiais: metalóides- azul, vermelho- amarelo.

1. Cada aluno receberá 50 cm de metalóide, o professor deverá formar pares de cores, podendo repetir os pares;
2. A atividade iniciará numa grande roda e com uma música de Festa Junina;
3. O professor pedira que formem pares com alunos que possuem a mesma cor de fita;
4. Os alunos ficarão um de frente para o outro, segurando as fitas, como se formassem uma ponte;
5. O professor pedirá que formem trios, citará as cores do trio;
6. Várias ordens de formação serão dadas, sempre ressaltando as cores, o aluno que não conseguir entrar numa formação, algumas vezes alguns alunos ficarão fora da formação.


Atividade: Alfabeto caipira

O sentido de "festa" se amplia, sobretudo com a musicalidade e com as danças. As quadrilhas juninas na escola são ótimas para desenvolver o relacionamento interpessoal.
Aproveite esse momento e faça uma dança diferente!

Faixa etária: 6 anos a 10 anos de idade
Objetivos: desenvolver a escrita e o relacionamento interpessoal.
Conteúdo: Língua Portuguesa e Educação Física.
Materiais: música Balãozinho.
1. Cada aluno recebe, nas costa, uma letra do alfabeto numa escrita numa folha sulfite e fixada com uma fita adesiva;
2. O professor deverá ficar atento para que tenha as letras que serão pedidas nas palavras, por isso as letras podem ser repetidas;
3. Escolhe uma música de festa junina, aqui vamos exemplificar com a música balãozinho;
4. Forma-se se uma grande roda, o professor vai fazendo o comando da quadrilha, mas antes de falar a palavra, pedirá que formem a grande roda, vai ser o sinal para turma se preparar porque será pedido uma formação de palavra;
5. A palavra pedida deverá fazer parte da música e neste momento a música pára.
6. Após a formação da palavra por alguns alunos no centro da grande roda a música volta e reinicia a quadrilha;
7. Veja as palavras que podem ser pedidas:
BALÃOZINHO
Venha cá, meu balãozinho.
Diga aonde você vai.
Vou subindo, vou pra longe,
vou pra CASA dos meus PAIS.
Ah, ah, ah, mas que bobagem.
Nunca vi BALÃO ter pai.
Fique quieto neste canto
e daí você não sai.
Toda MATA pega FOGO.
Passarinhos vão morrer.
Se cair em nossas matas,
o que pode acontecer.
Já estou arrependido.
Quanto mal faz um balão.
Ficarei bem quietinho,
amarrado num CORDÃO.

Faça uma roda do aprendizado com o tema soltar balão, debata com os alunos porque é proibido soltar balões.


Atividade formação de palavras
Faixa etária: 8 a 11 anos de idade
Conteúdo: Educação Física
Objetivos: desenvolver a escrita e o relacionamento interpessoal
Materiais: folhas sulfites, pincel.

1. Divida a classe em grupo;
2. Entregue para cada grupo letras da frase Casamento caipira no arraial, escritas em quadradinhos de folha sulfite, mas não deverão saber a frase usada;
3. Cada grupo de verá formar palavras com as letras dadas, poderão usar cada letra uma vez;
4. O professor verificará qual grupo formou mais palavras;
5. Após a verificação, os grupo de deverão descobrir a frase que as letras pertencem, a pista será a apresentação da tela O casamento de Cândido Portinari.


Atividade: A trilha caipira

Hora de movimentar o corpo, cumprindo atividades em grupo.
Faixa etária: 8 a 11 anos de idade
Conteúdo: Educação Física
Objetivos: desenvolver o relacionamento interpessoal.
Materiais: folhas sulfites, pincel, fita adesiva, papel cartão, dado.

1. A atividade deverá ser feita no pátio da escola;
2. Uma trilha será feita com papel cartão, do tamanho de uma folha sulfite, cada folha receberá um número, que serão de um a 20.
3. Em quatro casas os participantes serão informados para voltar duas ou três casas.
4. Serão feitas folhas tarefas para de 1 a 20;
5. As folhas tarefas serão fixadas pelo professor em vários lugares da escola;
3. A classe será dividida em grupos;
4. Um participante de cada grupo jogará o dado para saber qual casa irá marcar;
5. Conforme o número indicado, o grupo deverá procurar a folha tarefa;
6. A tarefa será apresentada ao professor pelo grupo, porque todos alunos do grupo deverão cumprir;
7. Após cumprir a tarefa o grupo joga de novo o dado para saber quantas casas deve seguir;
8. Ganha o jogo quem chegar primeiro no final da trilha.

Tarefas:

- Fazer o caracol da quadrilha junina;
- Fazer o túnel da quadrilha junina;
- Fazer o balance da quadrilha junina;
- Fazer o cumprimento da quadrilha junina;
- Cantar uma música junina;
- Imitar uma fogueira junina;
- Imitar uma pessoa subindo num pau de sebo;
- Trocar de sapatos entre os integrantes do grupo;
- Fazer o pequeno galope da quadrilha junina;
- Fazer a grande roda da quadrilha junina à esquerda e à direita;
- Tocar uma sanfona;
- Fazer uma grande roda em volta do professor;
- Fazer o trenzinho da quadrilha junina;


As brincadeiras
As festas juninas escolares promovem uma confraternização que nenhuma outra data consegue realizar, porque as brincadeiras são muitas: argola, corrida do saco, rabo do burro...

Atividade: Argolas
Faixa etária: 6 a 11 anos de idade
Conteúdo: Língua Portuguesa, Educação Física e Movimento;
Objetivos: desenvolver a escrita e a coordenação motora;
Materiais: latas de achocolatados ou leite em pó, cola, folha sulfite, pincel, argolas.

As latas serão cobertas na parte central com folhas sulfite, para isso faça uma tira larga de folha sulffite e cole sua pontas, em cada tira, lata, coloque uma sílaba;
Escolha sílabas que possam formar palavras de elementos que tem na Festa Junina.

1. A classe será dividida em grupos iguais;
2. Cada aluno jogará a argola uma vez;
3. Conforme os alunos acertam as argolas, deverão formar alguma palavra.

O casamento caipira

Nas Festas Juninas sempre têm o casamento caipira, é uma tradição. Portanto não poderia faltar no projeto.

Atividade: casamento caipira

Primeira etapa do casamento caipira
Faixa etária: 6 a 11 anos de idade
Conteúdo: Arte
Objetivos: desenvolver a criatividade, desenvolver a compreensão oral e auditiva.
Materiais: uma figura com a cena de um casamento, folha sulfite, lápis preto.
Indicamos para esta atividade a tela O casamento de Cândido Portinari.

1. Um aluno da classe irá passar os detalhes da figura para que os outros alunos possam desenhar a figura, mas só poderá responder o que for perguntado a ele.
2. Os demais alunos irão desenhar conforme e entendem a orientação.
3. Após todos desenharem a figura será mostrada;
4. O professor questionará se a classe achou fáceis as orientações e se os alunos acreditam que souberam perguntar.

Segunda Etapa da atividade casamento caipira
Faixa etária: 6 a 11 anos de idade
Conteúdo: Língua Portuguesa e Arte
Objetivos: desenvolver a escrita, a coerência e a interpretação.
Materiais: uma figura com a cena de um casamento e folha sulfite.
Indicamos para esta atividade a tela O casamento de Cândido Portinari
1. Será apresentada aos alunos a tela de Cândido Portinari O casamento;
2. Após a leitura da tela, a classe será dividida em grupos;
3. Cada grupo fará a sequencia do casamento num texto, veja o modelo com o tema Festa Junina
Festa Junina
A chegada
A música
A fogueira.
As barracas
Os doces
O pau de sebo.
O correio elegante.
A leitura.
A dança
O balancê
As brincadeiras.
A despedida.
Os fogos.
4. Faça o mesmo com o tema Casamento caipira.


Atividade: O bigode

Faixa etária: 5 a 11 anos de idade
Conteúdo: Educação Física e Movimento;
Objetivos: desenvolver a Inteligência cinestésico corporal
Materiais: EVA, cola quente, velcro, tesoura, tira de TNT preto.

Faça um rosto de caipira, onde é para colocar o bigode, coloque o velcro.
Os bigodes serão feitos separadamente e terão velcro também.

1. A classe será dividida em grupos;
2. Cada grupo irá orientar um integrante da sua equipe para colocar o bigode no lugar correto.
3. O aluno que irá colocar o bigode na figura, deverá estar com os olhos fechados e vendados com TNT preto.













Atividade: Doces caipiras
Nas festas juninas os doces são variados e não podem faltar no caminho da roça.
Faixa etária: 6 a 11 anos de idade
Conteúdo: Língua Portuguesa;
Objetivos: desenvolver a escrita;
Materiais: EVA, velcro, tesoura, cola quente.
1. Será feito um cartaz com uma panela e na fumaça terá palavras, que formam nome de doces.
2. Esse cartaz será feito de feltro e as palavras em tiras de EVA com velcro colado atrás delas, para que possam ser fixadas no feltro.
3. As palavras
MAÇÃ PÉ ABÓBORA DE DOCE DE DOCE LEITE DOCE ARROZ DO MILHO ALGODÃO DOCE DE AMENDOIN DE CURAU FUBÁ BOLO DE AMOR PAÇOCA
Resposta:
MAÇÃ DO AMOR
ALGODÃO DOCE
DOCE DE LEITE
PÉ-DE- MOLEQUE
CURAU DE MILHO
BOLO DE FUBÁ
DOCE DE ABÓBORA
DOCE DE LEITE
PAÇOCA DE AMENDOIM
1. A resposta poderá estar dentro de um envelope, fixado ao lado do painel de feltro.
Desenvolvimento da atividade
1. O professor fixa o feltro na parede e coloca as letras numa mesa ao lado do painel;
2. Os alunos deverão formar nome compostos de doces.























FESTA
Agora no projeto o tema central será a festa. Chegou o momento mais animado, a festa, com muitas danças e mais trabalhos em grupo.

As fogueiras
As fogueiras, nas festas juninas, têm formas diferentes. Elas também servem para purificação do local. Aqui servirão de painel da aprendizagem.

Atividade: Ditados populares
Faixa etária: 6 a 11 anos de idade
Conteúdo: Língua Portuguesa e raciocínio lógico
Objetivos: demonstrar habilidade para encontrar soluções lógicas e desenvolver a inteligência interpessoal.
Material: cartolinas, cola, tesoura, pincel.
1. Será feito um cartaz com uma grande fogueira e nela terá 2 ditados populares,
- 6 a 8 anos de idade: as letras das palavras estarão embaralhadas;
- 9 a 10 anos de idade: só as palavras estarão embaralhadas.

Ditados:
“Nem tudo que reluz é ouro”.
“Água mole pedra dura tanto bate até que fura”.
2. Várias frases com as palavras do ditado serão formadas e colocada numa mesa ao lado do cartaz, para que os alunos identifiquem a correta, ou será deixado uma folha sulfite numa mesa ao lado do cartaz para que os alunos escrevam os ditados que encontraram.












Atividade: Os anúncios

Toda Festa Junina tem cartazes informativos sobre as barracas. No projeto eles serão usados exercitar o uso do m e do n

Faixa etária: 6 anos de idade a 10 anos
Objetivos: desenvolver a escrita e o relacionamento interpessoal
Conteúdos: Língua Portuguesa
Materiais: cartolina, pincel.

1. Faça cartazes de cartolina com anúncios, e nas palavras deixe um espaço, onde é para usar m ou n;
2. Escreva m ou n e quadrados de cartolina, coloque uma fita adesiva atrás para que possam ser fixados para completar as palavras.
3. Divida a classe em grupos, cada grupo pode ser responsável por uma quantidade de cartaz.

Atividade:Criando uma fogueira
Faixa etária: 6 a 11 anos de idade
Conteúdo: Lógica e Arte
Objetivos: demonstrar habilidade para encontrar soluções lógicas e desenvolver a inteligência interpessoal, a criatividade e a coordenação motora
Material: palitos de sorvete

1. A classe será dividida em grupos;
2. Cada grupo irá formar uma fogueira com palitos de sorvete. O que vale nesta atividade é a criatividade.

sábado, 21 de maio de 2011

Revista Guia Escolar- maio 2011




Revista com atividades da profª. Sheila Blasques Nobile

Editora Alto Astral- maio 2011


- Consciência ambiental;

- Festa junina;

- Recreio orientado.

Revistas paradidáticas 2009, 2010 e 2011





Revistas paradidáticas (2009, 2010 e 2011) da Editora Alto Astral com atividades e projetos da Profª. Sheila Blasques Nobile

quinta-feira, 3 de março de 2011

Atividades escolares- Jogos e brincadeiras de Lingua Portuguesa

Jogos e brincadeiras - Língua Portuguesa
Atividade 1: quebra cabeça das sílabas
Idade: 6 a 8 anos
Objetivos: divisão silábica e relação imagem palavra
Material: papel cartão, cola quente, EVA, tesoura, pincel atômico, cola colorida, cola quente

Preparando a atividade
1. Faça os quebra-cabeças no formato da figura que representa a palavra.


Como fazer o quebra-cabeça:
1. O quebra-cabeça terá apenas o contorno da figura, esse contorno será realçado em relevo fazendo um contorno com cola colorida.
2. O quebra cabeça será divido de acordo com o número de sílabas;
3. Cada parte da figura receberá uma sílaba da palavra,
4. As sílabas também serão contornadas com cola colorida para realças as letras, para fiquem em relevo.
5. Cole as peças em EVA com cola quente, para que fique mais fácil de manipulá-las, siga o contorno da peça. Serão feitos vários quebra cabeça
Exemplos: casa, carro, bicicleta, mala.

Atividade 2: Bingo de formação de palavrasIdade: 7 a 10 anos
Objetivos: formação de palavras
Preparando a atividade
1. Faça tabelas que poderá ser formadas palavras horizontalmente, elabore pelo menos quatro tabelas, isto é, tabelas com palavras diferentes;
Observação: poderá ser feito um trabalho com grupos, como substantivos simples, substantivos abstratos, ou animais, plantas e cidades.
2. Em cada linha horizontal, coloque uma letra da palavra;
3. Pinte os quadros que não terão letras.
4- Recorte letras para serem sorteadas, o ideal é ter quatro de cada, porque se aluno não conseguiu utilizar a letra num determinado momento, poderá utilizá-la de novo se ela for sorteada novamente.
Desenvolvimento
1. Cada criança recebe uma tabela;
2. As letras serão sorteadas pelo professor;
3. O aluno escreverá a letra na tabela, dessa forma não poderá ser modificada depois;
4. Ganha o jogo o aluno que completar a tabela.

Observação: se na turma tiver criança com deficiência auditiva, o professor deverá colocar a letra na lousa quando for sorteada.

Atividade 3: Jogo inteligente

Jogo inteligente,recomendado para todas as idades. Excelente exercício para os neurônios.. Veja em "explicação", mais abaixo.

Enxerga a pátria espiritual! O ser falha mas pode melhorar. 5(-1)4
Ululando, ó que dádiva, o animal bravio se afasta. 6(-1,5)4
Repartia esperanças, madre Teresa, por toda a existência. 7(-1,2,6)4
Oceanos, ilhas e nativos, em clima hospitaleiro, lá vão os Schürman. 5(-1)4
O ciclomotor circunda o hospital à noite. A comunidade detesta isso. 6(-1)5
Solto, largo, o jornal, passando-o pela porta, inferiormente. 5(+3,4)7
Cultivar bons sentimentos! E tornar puros os pensamentos! 6(-4)5
Abstinência de alimento, um tema da minha obra não impressa. 6(+6)7
Roma e Veneza, grandes povoações, desde épocas remotas. 7(-1)6


EXPLICAÇÃO
A solução de uma charada da espécie enigmograma consiste na descoberta de dois sinônimos, um de cada uma das duas chaves sublinhadas ou em negrito no texto da charada.
O primeiro algarismo indica a quantidade de letras do primeiro sinônimo ou equivalente. Entre parêntesis, a operação aritmética (adição ou subtração) a ser aplicada à primeira solução, para se obter a segunda. Para isso se mostra a posição relativa das letras a se adicionarem ou subtraírem, sempre em relação à solução maior.
Pode-se adicionar até o dobro de letras, ou se subtrair no máximo metade delas. Não se podem adicionar ou subtrair mais de 2 letras seguidas. A charada também não pode coincidir com outra espécie charadística.
Por exemplo: "AFORA-FORA", é uma charada aferética."FORA-AFORA" é uma protética. "DOMINO-DONO" é uma sincopada. DONO-DOMINO é uma epentética. "MANADA-MANA" é uma apocopada. "MANA-MANADA" é uma paragógica.
EIS UM EXEMPLO
Um par de cachorros guarda a residência. 5(-5)4
Solução: CASAL-CASA


Gabarito do desenvolvimento da inteligência lingüística:
Terra- erra
Oferta-fera
Dividia- vida
Mares- ares
Rodeia-odeia
Deixo-debaixo
Lavra-lava
Ínédita-inedita
Cidades-idades

Atividade 4: DINÂMICA LÁ VAI A BANDA
Você sabe qual sistema você usa para memorizar?

Objetivo: identificar qual sistema usamos para memorizar, para repetir o que acabamos de ouvir e e a inteligência emocional .

Material: nenhum

Tempo: 15 a 20 min.

Desenvolvimento: O coordenador, ou facilitador dividirá a equipe em grupos (mínimo 8 pessoas) que formarão uma roda sentados. O facilitador falará um trecho de um texto, cada grupo irá repetir para o colega do seu grupo. Todos do grupo devem repetir, quem errar a frase saí da roda. O facilitador aumentará o texto, sempre repetindo o que já foi falado (veja abaixo) e os participantes repetirão nos seus grupos.

Texto:

1- La vai a banda;
2. Lá vai o maestro que rege a banda;
3. Lá vai o carro do maestro que rege a banda;
4. Lá vai a mulher no carro do maestro que rege a banda;
5. Lá vai a vizinha da mulher do maestro que está dentro do carro do maestro, que rege a banda;
6. Lá vai o açougueiro que brigou com a vizinha da mulher do maetro, que está dentro do carro do maestro que rege a banda;


Atividade 5 : o alienigia

“pessoa” que acabou de lhe entregar esse papel é um alienígena, vindo de outro planeta. Antes de chegar, colocaram tênis e meias nos seus dois pés. Mas, por ser muito curioso, o alienígena tirou um tênis e uma meia e não sabe colocá-los de volta.

Sendo um terráqueo muito gentil como é, você quer ajudar o alienígena a botar a meia e amarrar o tênis. Sua tarefa é dar instruções explícitas a ele. (O alienígena recebeu um curso relâmpago de português antes de chegar, mas não fala nada.) O alienígena não é capaz de imitá-lo, assim não adianta demonstrar com seu próprio sapato e meia. Além disso, ele foi desenvolvido de tal maneira que só consegue ouvir uma pessoa de cada vez. Por favor, façam um revezamento para dar as instruções.

Ah, só mais um aviso... não toquem no alienígena. Se fizerem isso, bem. não garanto nada. A última pessoa que tocou nele, evaporou imediatamente.


Atividade 6: Era uma vez
Os grupos escreveram um lead, seguindo as seguintes perguntas O que aconteceu?

As respostas srão colocadas em caixas separadas, o que , quando

Cada grupo deverá tirar uma resposta de cada caixa, quem conseguir formar a história coerente, marca pontos.


Decifre estas charadas Adicionadas:
1- POSSUIR SOMENTE maus hábitos, não é CORRETO. 1-1.
2- O pai PREGUIÇOSO, com DIFICULDADE, educa o MENINO DE POUCA IDADE. 2-1.
3- Deu um FRUTO DA BANANEIRA à mulher de roupa COLORIDA, o homem SARDENTO. 3-3.
4- NESTE LUGAR vende-se TECIDO FINO COMO ESCUMILHA, que não é AQUELA COISA! 2-1.
5- APLICAR TAMANHO esforço para obter quase nada, LOGO, não
vale a pena. 1-2.
6- AQUI, no FOSSO, encontrei UMA DAS PEÇAS DO JOGO DE XADREZ. 1-2.
7- CESSA DE ANDAR e DOA tua energia a uma EMPRESA ARRISCADA. 2-1.
8- PERVERSA é a mulher que não dá uma AJUDA à criança, para carregar o FRUTO DO MAMOEIRO. 1-1.
9- ELA admira homem AFOITO e DESTEMIDO. 1-2.
10- A BABÁ se IRRITA quando tem de comer carne de OVELHA MAGRA E VELHA. 1-2.
11- AJUDA sem COMPAIXÃO, não favorece o homem que está PRÓXIMO do fim. 3-1.
12- FORTIFICA a pessoa anêmica o chá VERMELHO do PAU-BRASIL. 2-3.
13- Não há PROTEÇÃO NAQUELE LUGAR distante, onde a terra de vez em quando ESTREMECE. 2-1.
14- O VALOR da vida SOMENTE é percebido pelo homem CORAJOSO. 3-1.
15- APARÊNCIA QUE NÃO É MOLE agüentar, tem a PESSOA DESAVERGONHADA, CÍNICA. 2-2.


Soluções das charadas adicionadas: 1- Terso 2- moleque 3- banana-pintada 4- aquilo 5- portanto 6- cavalo 7- parada 8- mamão 9- afoito 10- badana 11- achegado 12- murapiranga 13- abala 14- alentoso 15- caradura.

Atividades escolares de Matemática- Jogos e brincadeiras

Atividades escolares de Matemática- Jogos e brincadeiras


Matemática
Atividade 1 : Quebra-cabeça das operações
Idade: 8 a 11 anos
Objetivos: desenvolver o raciocínio, a lógica e o relacionamento interpessoal
Materiais: papel cartão, fita adesiva, pincel atômico, tesoura

Preparando a atividade
1. Elabore operações matemáticas, primeiramente numa folha;
2. Coloque os números das operações separadamente em cartões, no tamanho de 15cm de largura por 20 cm de altura, use o pincel atômico para escrever;
3. Cada aluno da classe receberá um cartão contendo um número, por isso, faça operações o suficiente para que todos recebam, os cartões de resultados ficarão com o professor;
4. Os cartões que podem fazer parte das operações serão fixados nas blusas dos alunos com fita adesiva;
5. Deixe numa caixa os sinais das operações, como +, -. X, :, =
Obs: Faça vários cartões de cada sinal, porque cada resultado pode aparecer vários tipos de operações.
Desenvolvendo a atividade
6. Faça uma grande roda, com a classe toda e depois peça que se movimentem no centro da roda para que possa dar o resultado de uma operação que os alunos irão elaborar;
7. Diga o resultado de uma operação, levante também o cartão com número para que todos vejam, até ser formado as operações, como por exemplo se o professor der o resultado 8. Os alunos poderão formar 4+4, ou 5+3; ou 10 – 2, isso vai depender dos números que possuem para realizar a operação, para isso também deverão pegar na caixa os sinais, por isso deverá ter vários sinais de cada um.
8. Os alunos que elaborem a operação se encarregaram de pegar os sinais na caixa, eles mesmos mostraram os sinais.
Exemplo: um aluno com nº 7 segurando o sinal + e outro aluno com outro nº. 7 segurando o sinal de igual, essa operação faz parte do resultado 14 que o professor mostrou para a turma.
Orientação: se na turma tiver aluno cadeirante, ou com deficiência visual, forme duplas, e a dupla receberá um cartão, dessa forma, os cartões serão entregues para duplas e não individualmente e se tiver alunos com deficiência auditiva o professor deverá fazer uma roda, isto é, os alunos formarão uma roda e o professor ficará no centro da roda, levantará o cartão e o sinal para que os alunos formem grupos será quando o professor abaixar o cartão.

Atividade 2: Jogo da memória da quantidadeIdade: 6 a 8 anos
Objetivos: desenvolver a atenção a observação, a memória e aprender a pensar matematicamente.
Material: EVA, furador de figuras, tesoura, estilete cola quente, caneta retroprojetor.
Preparando a atividade
1. Faça peças do jogo da memória com EVA e com figuras feitas com o furador de figuras. Sendo que uma peça será o número (faça-o vasado, para isso use uma caneta retroprojetor para escrever o número e o estilete para recortá-lo) e na outra a quantidade (feita de figuras vasadas).
Desenvolvimento
1. Os alunos ficaram em duplas;
2. As duplas deverão descobrir os pares, sendo uma figura e seu número correspondente.
Observação:
Os alunos com deficiência visual poderão jogar, a dupla deverá ficar de olhos vendados e terá um observador, dessa forma brincarão três crianças, para isso faça peças do jogo da memória com EVA e com figuras feitas com o furador de figuras. Sendo que uma peça será o número (faça-o vasado) e na outra a quantidade (feita de figuras vasadas). Faça três peças da mesma, para que seja colada uma sob a outra (com cola quente), para que fiquem mais fáceis de serem manipuladas, tanto por alunos com deficiência visual como para alunos com problemas de coordenação motora.

Atividade 3: Tabuleiro matemáticoIdade: 7 a 9 anos
Objetivos: trabalhar adição e subtração
Materiais: folha sulfite, régua, caneta, dois dados
Preparando a atividade
Faça um tabuleiro na folha sulfite, deverá ter pelo menos 32 Desenvolvimento
1- A classe será dividida em grupos;
2- Será feito um sorteio para ver que inicia o jogo e como será a seqüência dos jogadores;
3- Cada criança jogará os dois dados e somará os números;
4- Poderá ser trabalhado a adiação e a subtração:
Adição: a quantidade somada será marcada no tabuleiro, isto é, se a criança jogar o dado e obtiver 3 em um dado e 4 no outro dado, deverá marcar 7 retângulos.
Subtração: deverá subtrair os números obtidos nos dois dados, por exemplo, se obtiver cinco em um dado e três em outro dado, o resultado será dois, então poderá marcar duas casas.
5- Poderá ser utilizado também 3 dados, dessa forma o tabuleiro deverá ser utilizado na frente e no verso da folha.
6- Ganhará o jogo quem preencher primeiro o tabuleiro.